Segurança na Mesa

Objetivo do Projeto

O uso difundido de defensivos agrícolas na produção de alimentos gerou a necessidade de implantar e melhorar o controle sobre esta prática produtiva para garantir que o alimento consumido esteja livre de riscos de danos à saúde do consumidor devido à presença de resíduos destes defensivos nos alimentos e que o manejo correto tenha sido executado.

O Projeto Segurança na Mesa busca caracterizar o uso e o manejo de defensivos agrícolas utilizados por produtores no município de Patos de Minas e região e confrontá-los com as normas da legislação.

O que são defensivos agrícolas?

Defensivos agrícolas são produtos químicos, físicos ou biológicos usados no controle de seres vivos considerados nocivos ao homem ou a sua produção agrícola.

São conhecidos também como agrotóxicos, pesticidas, praguicidas ou produtos fitossanitários.

Herbicidas

Usados no controle ou combate a plantas daninhas.

Inseticidas

Usados no controle ou combate a insetos potencialmente nocivos à produção agrícola.

Fungicidas

Combatem fungos potencialmente nocivos à produção agrícola.

Acaricidas

Combatem ácaros nocivos que destroem lavouras ou reduzem a produção.

Nematicidas

Combatem nematoides que se alimentam dos nutrientes nas raízes das plantas.

Rodenticida

Combatem ou evitam ataques de ratos e outros roedores às plantações.

Bactericida

Combatem bactérias que podem causar danos à produção agrícola.

Reguladores de Crescimento

São substâncias que

estimulam ou retardam o crescimento de plantas.

Por que controlar o uso de defensivos agrícolas?

Apesar do objetivo de defesa contra seres nocivos, os defensivos podem atingir qualquer animal ou planta, incluindo aqueles que são benéficos como minhocas, abelhas e pássaros, causando grandes impactos negativos no meio ambiente.

º

Lugar no Consumo de Agrotóxicos

O Brasil bate recordes de produtividade nas safras agrícola. A revolução verde possibilitou o avanço da agricultura por todo o território nacional, mas  essa intensificação que levou o Brasil ao maior consumidor mundial de agrotóxicos tem impactado negativos relacionados a possíveis descontroles no uso e manejo destes compostos químicos.

Impacto Ambiental

O uso de defensivos agrícolas é intenso nos cultivos brasileiros e possibilita uma grande diversidade de efeitos, podendo atingir organismos que não sejam o alvo de seus usos, ocasionando desequilíbrio ecológico.

Estudos mostram que os agrotóxicos estão atingindo também predadores naturais presentes normalmente na cultura aplicada, e estes organismos naturais poderiam estar contribuindo como controle biológico natural de predadores nocivos.

A aplicação de forma errada destes agrotóxicos repetidas vezes e com altas dosagens não é rara e influi diretamente na pressão sobre a biodiversidade.

O solo também é afetado pelo uso dos agrotóxicos e os organismos que vivem nele também sofrem impactos, como os microrganismos que podem aumentar ou diminuir de população e o resultado desta interação é imprevisível.

Devido às grandes reservas aquáticas do Brasil, preocupa-se com a presença de defensivos nos rios, lagos e no mar. Estudos têm detectado agrotóxicos em diversos sistemas aquáticos e desestabilização destes ecossistemas, por fim, o ser humano acaba consumindo os seres aquáticos que podem estar contaminados com agrotóxicos. 

A presença de lavouras próximas de rios indicam um perigo de contaminação de águas que podem estar sendo utilizadas para o abastecimento de zonas urbanas ou outras produções agrícolas, por conta disto, o perigo dos agrotóxicos podem atingir maiores dimensões.

O Dano em Alimentos

Como as principais necessidades humanas são recursos naturais que podem ser contaminados por agrotóxicos como a água e o alimento, estes recursos expõem o ser humano aos perigos destes compostos através da alimentação.

Segundo a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária ), de 25 alimentos de origem vegetal analisados entre 2013 e 2015, 58% das 9.680 amostras apresentaram resíduos de agrotóxicos, estes números indicam que os resíduos de agrotóxicos estão presentes na dieta do brasileiro, alertando para um grande risco da saúde da população.

Estudos mostram que populações que vivem em áreas próximas a lavouras estão expostas a maiores riscos devido às aplicações inadequadas.

O Dano ao Produtor

A situação de quem vive do trabalho agrícola é muito mais agravante, pois além de poder consumir o alimento contaminado, eles manipulam os defensivos agrícolas durante a aplicação, se expondo a grandes quantidades de agrotóxicos.

Durante a aplicação destes defensivos, o trabalhador deve buscar mecanismos de proteção para não entrar em contato com estes produtos, mesmo que estas práticas de segurança, como o uso de equipamentos de proteção individual (EPI), sejam obrigatórias, muitos não as conhecem ou dispensam estas proteções.

Um Trabalho de Conscientização

Conhecendo a toxicidade dos produtos que utilizam em suas lavouras, o homem do campo deve ser instruído e conscientizado a adotar medidas que reduzam o risco à sua saúde e daqueles que irão consumir os recursos naturais que são colocados em perigo pela contaminação da água, do solo, do ar, dos animais, das plantas e dos alimentos.

Os estudos mostram que apesar de haver leis ambientais e sanitárias para o controle do uso e do manejo de agrotóxicos, a utilização destes defensivos agrícolas, muitas vezes, não está sendo feita de maneira aceitável.

 

Novos esforços devem ser feitos para que a produção agrícola não coloque em risco o meio ambiente e a saúde da população, através da informação e conscientização de produtores rurais sobre os defensivos agrícolas, poderemos reduzir os impactos negativos e ainda continuar a alcançar a produção desejada.

Notícias do Projeto